Um dos ramos mais promissores da Física, a Física Médica trabalha com conceitos e técnicas básicas e específicas de Física aplicados à Biologia e à Medicina. Atua por meio de modelos, agentes, métodos e procedimentos físicos na prevenção, no diagnóstico e no tratamento de doenças, além de no controle e desenvolvimento de instrumentação voltada para ensaios biomédicos.
Também aplica os fundamentos de várias técnicas terapêuticas ou diagnósticas, proporcionando novas tecnologias e estabelecendo critérios de utilização dos agentes físicos na área de Saúde. O mercado de trabalho está francamente favorável ao físico médico. Estima-se que o País tenha hoje uma carência de pelo menos 1.800 desses profissionais, considerando como parâmetro os países desenvolvidos.
Essa demanda é compreensível. O físico médico participa, em conjunto com outros profissionais, na elaboração das bases de medida das variáveis biomédicas, como calibração de equipamentos, medições de controle de proteção radiológica e controle de qualidade nos equipamentos físicos empregados na área da Saúde e afins.
A Física Médica tem como campo de atuação, principalmente, as áreas de radiologia diagnóstica e intervencionista, medicina nuclear, radioterapia, radiocirurgia, proteção radiológica, metrologia das radiações, biomagnetismo, radiobiologia, processamento de sinais e imagens biomédicas, clínicas e epidemiológicas.
O físico médico pode atuar como professor de instituição de ensino superior; como pesquisador de centros e institutos de pesquisa, gerando novos conhecimentos e métodos para serem utilizados em diagnóstico, tratamento e processos relacionados à área médica; e trabalhando em centros médicos (clínicas e hospitais) ao lado de outros profissionais da saúde, ou na área técnica de empresas de venda de equipamentos médico-hospitalares.
Pode trabalhar também em empresas especializadas no controle de qualidade de equipamentos de alto teor tecnológico, em projetos de controle de radiação (transporte de material radioativo, cálculo de barreira/proteção radiológica), em institutos controladores e reguladores de radiação ionizante, em órgãos de vigilância sanitária e na indústria de equipamentos de diagnóstico e terapia. Existe ainda a possibilidade de ministrar cursos de formação de pes­soal técnico qualificado (técnico em radiodiagnóstico e radioterapia).
O físico médico é indispensável no desenvolvimento, controle e emprego de equipamentos como tomógrafos de raios X, aparelhos de ressonância magnética nuclear e cintilografia, e no uso de técnicas que empregam laser, podendo atuar ainda em planejamento radioterápico ou na proteção radiológica de trabalhadores da área de Saúde. Ele é capacitado a avaliar, por exemplo, a eficiência de blindagens em setores de raios X e, se fizer mestrado e doutorado, a trabalhar em universidades e centros de pesquisa.
Os bacharéis em Física Médica de Botucatu estão obtendo uma boa colocação no mercado de trabalho tanto em empresas da área de radiação ionizante como nas pós-graduações. Um levantamento realizado, no final de 2009, com os 33 alunos formados na primeira turma (2003 a 2007) mostrou que 54,5% estão na iniciativa privada, sendo: físicos de radioterapia (28%), empresas de controle de qualidade em radiodiagnóstico ou medicina nuclear (17%) e empresas (vendas, treinamento, suporte técnico) de equipamentos médico-hospitalares (55%). Os demais profissionais (45,5%) encontram-se em programas de pós-graduação altamente referendados no País.

Na UNESP

Excelentes equipamentos no Hospital de Clínicas

O curso de Física Médica é reconhecido pelo Conselho Estadual de Educação e é oferecido pelo Instituto de Biociências, câmpus de Botucatu, onde o aluno tem aulas teóricas e práticas nas áreas de Física, Biofísica, Fisiologia, Farmacologia, Anatomia, Morfologia, Química, Matemática e Educação. O estudante também tem à disposição as amplas estruturas do Hospital de Clínicas da Faculdade de Medicina (FM), que conta com excelentes equipamentos de diagnóstico por imagem, medicina nuclear e radioterapia.
O último semestre do curso está voltado para estágio curricular, que complementa uma formação teórico-prática de qualidade a partir da vivência nas principais áreas de atuação profissional. A região de Botucatu possui vários centros médicos e apresenta excelente potencial para a inserção profissional do físico médico. A Unesp conta ainda com diversos convênios com instituições públicas ou privadas da área de saúde e higiene das radiações.
Os primeiros profissionais formados tiveram uma boa aceitação no mercado de trabalho, estando empregados em firmas de consultoria/prestação de serviços de controle de qualidade, empresas de venda e assistência técnica de equipamentos médico-hospitalares e pós-graduação.